Pular para o conteúdo principal

SAUDAÇÕES A CONSTITUINTE POPULAR DA VENEZUELA!

Por Aldo Santos: O debate sobre a Venezuela deve ser entendido dentro do contexto geopolítico que vem se desenhando no continente Latino-americano, na Europa e em várias partes do mundo, . Alguns autores afirmam que é notório e crescente o avanço do neoliberalismo pelo mundo todo, delimitando e fragilizando as políticas neo desenvolvimentistas, confinada na sua grande maioria nos livros das academias. A luta pelo socialismo, mesmo o socialismo do século XXl, está sofrendo uma espécie de cercamento do imperialismo americano, das grandes potencias europeias que querem de toda forma asfixiar os países que ousam desenvolver novas formas de partilhas econômicas, de inclusão social e de liberdades políticas e de utopias necessárias. Cuba foi vítima deste cercamento e ainda padece de sequelas e de monitoramento da Grande Casa Branca, onde o fascista do Donald John Trump retrocede nas políticas tímidas que de certa avançaram no governo de Barak Obama em relação ao governo e povo Cubano. Cuba resistiu e hoje é modelo para o mundo no campo da saúde, esporte, educação, e da solidariedade humana, mesmo diante de novos desafios e novas políticas de gradual abertura e de concessões econômica neste singular momento da conjuntura. A Venezuela ainda se alimenta do carisma de Hugo Chávez; carisma este que falta a Nicolás Maduro. Todavia, o formato de constituinte inclusiva que patrocinou cumpre importante papel nesse momento de profunda desestabilização política, econômica, social e invasiva que o pais vem atravessando.Quando Gramsci diz que é preciso tomar partido, na Venezuela não é diferente, pois mesmo com os devidos reparos que a democracia, a soberania popular e a autodeterminação dos povos saberão prospectar com o povo participando, o plano da constituinte com o povo ainda é fundamentalmente melhor do que ser esmagado sob as botas das ditaduras, da invasão e recolonização pretensiosa do governo americano e seus históricos satélites.Quando James Monroe afirmava que "A América para os americanos", resumia a doutrina patrocinada em 1823 pelo presidente dos Estados Unidos.Porém, a América é dos Venezuelanos, Cubanos, Bolivarianos e da matriz filosófica que povo determinar e abraçar em qualquer parte do mundo.É urgente o contra ponto dos BRICS, instituído em 2001 pelo economista inglês Jim O'Neill, referindo-se a quatro países a saber: Brasil, Rússia, Índia e China.Esse apoio ao que resta de democracia operária ou da manutenção e crescimento do já fragmentado socialismo terá papel de relevo no reordenamento mundial que hoje está sob as botas dos históricos colonizadores que sucateiam, roubam, escravizam países e matam de fome populações inteiras como ocorre no continente Africano, provocando todas as formas de misérias e degradação humana. Neste sentido, não tem neutralidade diante da guerra civil que está em curso na Venezuela e o apoio a constituinte, a soberania popular defendida nas ruas se impõe como elemento determinante de resistência diante do descomunal conservadorismo e do fascismo que avança desmedidamente em grande parte do planeta.

Lutar, democratizar, viver e vencer é preciso!
Aldo Santos- Militante Sindical, Partidário e Popular

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho

LUTAR É PRECISO!!!
A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho
"Morrer ou deixar morrer" Não é querer fazer alusão as ideologias nazistas ou a qualquer tipo de ideologias, nem é ser anarquista, mas pelo contrário, é suscitar uma atitude crítica na sociedade em que vivemos. Recordarmos Nietzsche quando diz que nos tornamos passíveis diante dos problemas sem questionar ou lutar, enfim quando fugimos dos nossos direitos, transferimos o nosso poder a outras pessoas. Assim nós o perguntamos “morrer, ou deixar morrer”? Morrer é lutar pelos seus direitos, é lutar pela vida é fazer algo de sua existência, e deixar morrer é simplesmente cruzar os braços para tudo, para sociedade e principalmente para esse governo que nos massacra e tira de nós trabalhadores o direito à vida digna, o direito ao trabalho digno e principalmente o direito de se aposentar. E hoje, o que estamos fazendo? Durante o nazismo, o povo alemão matou e deixou morrer “por não saber o que ac…

RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: Sobre a história do Brasil

Por Chico Gretter: Ontem recebi um relato de um tal jornalista Paulo Chagas que elogiava os generais do regime militar e atacava o Lula, comparando a abnegação dos militares com o oportunismo do petista e acusou os "brasileiros" de profunda ignorância sobre a nossa história... Não entrando em questões pessoais de quem é mais bonito, fiz a seguinte reflexão:                                                                                                                   RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: sobre a história do Brasil, como professor de História que sou, devo discordar de várias afirmações do jornalista Paulo Chagas sobre a época do regime militar. Os generais que governaram o país por 21 anos podem ter sido honestos, mas a política de alinhamento de nossa economia ao capitalismo internacional/$USA que ainda domina a América Latina sempre provocou uma dependência muito grande de nossos países aos EUA, sem falar nos milhares de presos, torturados, exil…

“ESCOLA SEM PARTIDO”: O QUE ISSO SIGNIFICA?

Por Dermeval Saviani

No Brasil o atual governo, resultado de um golpe parlamentar, vem tomando várias iniciativas na direção do abastardamento da educação. A par de medidas como cortes no orçamento, destituição e nomeação de membros do Conselho Nacional de Educação sem consulta, um sinal emblemático da intervenção nos próprios conteúdos e na forma de funcionamento do ensino é o movimento denominado “Escola sem partido” que se apresenta na forma de projetos de lei na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e em várias Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais do país.

O referido projeto é chamado por seus críticos de “lei da mordaça”, pois explicita uma série de restrições ao exercício docente negando o princípio da autonomia didática consagrado na legislação e nas normas relativas ao funcionamento do ensino. A motivação dessa ofensiva da direita tem um duplo componente.

O primeiro é de caráter global e tem a ver com a fase atual do capitalismo que entrou em profunda crise de caráter e…