Pular para o conteúdo principal

Meu Porfiar Filosófico!


Precisar o quando e o como do despertar filosófico em mim, não me parece tarefa fácil, como se diz no senso comum: acho que filosofo desde que me conheço por gente. Então pensar a filosofia em minha trajetória de vida é pensar a existência em toda sua complexidade.
Na busca pela precisão cronológica, me vejo muito menina, diante de uma arapuca onde uma Rolinha se debatia, era pratica comum entre os meninos da roça, espalhar por toda parte aquele tipo de armadilha para aprisionar passarinhos, a arapuca em questão era obra de um primo que sempre me fora muito querido, mas que naquele momento, diante do sofrimento do pequeno pássaro, transformava-se aos meus olhos em carrasco cruel. Eis o primeiro grande dilema do qual tenho lembrança, dilema ético, visto que, libertar o pássaro seria trair a confiança do meu primo, e deixá-lo lá a se debater até ser levado para uma gaiola, de onde jamais sairia vivo, me tornava cúmplice daquela crueldade, não que aos seis anos de idade tivesse eu consciência do significado de traição e de cumplicidade, só sabia de uma coisa, tinha que fazer a coisa certa, era o que meus pais diziam o tempo todo: “não pode, porque não é certo, tem que fazer isso ou aquilo, porque é a coisa certa”. O certo dizia meu coraçãozinho choroso, era libertar o pássaro. Fiz a coisa certa, porém, senti um aperto ainda maior no coração ao ver a rolinha sumir diante dos meus olhos, estragar o trabalho de horas do meu primo não fora certo, ele ficaria triste, e minha mãe me castigaria quando soubesse. Naquele momento tive consciência da relatividade,  certo ou errado muitas vezes é uma questão de ponto de vista, ou seja, o justo para com  o pássaro era injusto para com meu primo, como explicar a ele meu ato de compaixão para com aquela rolinha? Pior! Como explicar para minha mãe o que  fazia eu, sozinha no meio do mato a me meter com coisas de meninos?
Desde então estou eu a porfiar pela vida tropeçando nas arapucas, abrindo umas, desviando de outras tantas (por questões de sobrevivência), procurando “fazer a coisa certa”, conservando contra toda e qualquer lógica a inquietude de minha meninice, não me conformando com o que me parece injusto, e indagando o que é afinal a justiça?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho

LUTAR É PRECISO!!!
A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho
"Morrer ou deixar morrer" Não é querer fazer alusão as ideologias nazistas ou a qualquer tipo de ideologias, nem é ser anarquista, mas pelo contrário, é suscitar uma atitude crítica na sociedade em que vivemos. Recordarmos Nietzsche quando diz que nos tornamos passíveis diante dos problemas sem questionar ou lutar, enfim quando fugimos dos nossos direitos, transferimos o nosso poder a outras pessoas. Assim nós o perguntamos “morrer, ou deixar morrer”? Morrer é lutar pelos seus direitos, é lutar pela vida é fazer algo de sua existência, e deixar morrer é simplesmente cruzar os braços para tudo, para sociedade e principalmente para esse governo que nos massacra e tira de nós trabalhadores o direito à vida digna, o direito ao trabalho digno e principalmente o direito de se aposentar. E hoje, o que estamos fazendo? Durante o nazismo, o povo alemão matou e deixou morrer “por não saber o que ac…

RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: Sobre a história do Brasil

Por Chico Gretter: Ontem recebi um relato de um tal jornalista Paulo Chagas que elogiava os generais do regime militar e atacava o Lula, comparando a abnegação dos militares com o oportunismo do petista e acusou os "brasileiros" de profunda ignorância sobre a nossa história... Não entrando em questões pessoais de quem é mais bonito, fiz a seguinte reflexão:                                                                                                                   RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: sobre a história do Brasil, como professor de História que sou, devo discordar de várias afirmações do jornalista Paulo Chagas sobre a época do regime militar. Os generais que governaram o país por 21 anos podem ter sido honestos, mas a política de alinhamento de nossa economia ao capitalismo internacional/$USA que ainda domina a América Latina sempre provocou uma dependência muito grande de nossos países aos EUA, sem falar nos milhares de presos, torturados, exil…

“ESCOLA SEM PARTIDO”: O QUE ISSO SIGNIFICA?

Por Dermeval Saviani

No Brasil o atual governo, resultado de um golpe parlamentar, vem tomando várias iniciativas na direção do abastardamento da educação. A par de medidas como cortes no orçamento, destituição e nomeação de membros do Conselho Nacional de Educação sem consulta, um sinal emblemático da intervenção nos próprios conteúdos e na forma de funcionamento do ensino é o movimento denominado “Escola sem partido” que se apresenta na forma de projetos de lei na Câmara dos Deputados, no Senado Federal e em várias Assembleias Estaduais e Câmaras Municipais do país.

O referido projeto é chamado por seus críticos de “lei da mordaça”, pois explicita uma série de restrições ao exercício docente negando o princípio da autonomia didática consagrado na legislação e nas normas relativas ao funcionamento do ensino. A motivação dessa ofensiva da direita tem um duplo componente.

O primeiro é de caráter global e tem a ver com a fase atual do capitalismo que entrou em profunda crise de caráter e…