Pular para o conteúdo principal

O mito feminino

O LUGAR SOCIAL DA MULHER 

Nós mulheres, protagonistas de nossas histórias sabemos bem o peso quem tem sobre nós, milênios de dominação machista/patriarcal, desde os mitos de criação até os dias de hoje sobre nós recai a culpa da existência do mal, afinal Pandora abriu a caixa, Eva comeu o fruto proibido e seduziu o homem e Lilith não se submeteu. 

PANDORA

Pandora foi criada por Zeus, que deu ordens a Hefestos para que modelasse da terra e água e pusesse voz e força humana, além de feições semelhantes às deusas imortais, com forma de virgem. Depois, todos os deuses colocaram dons na criatura, tanto qualidades como defeitos. Atena lhe ensinou os trabalhos. Afrodite devia lhe pôr além da graça, um terrível desejo e preocupações devoradoras de membros. Ao mesmo tempo em que recebe beleza, possui desejo terrível, configurando sua dualidade boa e má. Hermes, o astuto deus, pôs espírito de cão, que “indica sua capacidade de absorver, com seu ardor alimentar, toda a energia do macho” . Recebeu colares de ouro e flores. Por fim, Hermes colocou em seu peito “mentiras, sedutoras palavras e dissimulada conduta” 
Ela recebeu o nome de Pandora, por possuir todos os dons. 
Após ser enviada a Epimeteu como um presente de casamento, Pandora retirou a tampa do jarro e os males, que lá estavam enclausurados, saíram, dispersaram-se pelo mundo. Cumpriu-se, então, a vingança divina, revelada na figura feminina de Pandora, detentora de um bem divino em forma de presente que se configurou no mal à humanidade 
– tanto ao homem quanto à mulher.

EVA

Eva, do hebraico, “vivente” ou “a que dá vida”, é a primeira mulher, esposa de Adão e mãe dos viventes. Eva “foi feita (literalmente formada) por Deus a partir de uma das costelas de Adão”.
Deus plantou um jardim em Éden no Oriente, onde colocou o homem, impondo-lhe a condição única para sua existência: não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal. Deste modo, para que o homem vivesse em harmonia e em paz, deveria se subordinar a Deus e obedecer a esta condição. Em seguida, Deus disse: “Não é bom que o homem esteja sozinho. Vou fazer para ele uma auxiliar que lhe seja semelhante.” (Gen 2:18).
A mulher, então, pecou e depois deu o fruto ao marido. A tentação da serpente se configura no pecado cometido pela mulher e, em seguida, pelo homem, guiado pela mulher. A primeira consequência desse ato foi homem e mulher perceberem que estavam nus e se esconderam de Deus, porque tiveram medo. Quando Deus os encontra, o homem diz ter recebido o fruto da mulher, e esta dissera tê-lo recebido da serpente. Pelo pecado cometido, todos foram punidos.

LILITH

O demônio feminino, geralmente, é manifestado por meio do espírito de Lilith de acordo com algumas culturas, como a suméria, árabe e outras. Conforme a tradição judaica, Lilith não se entendia com Adão, sobretudo porque não queria estar por baixo dele durante o enlace conjugal. Ela estava insatisfeita, desejava liberdade, mudança e fuga, pois foge para o Mar Vermelho. Nas mitologias a seu respeito, ela é repleta de imagens de desolação, diminuição, vingança e raiva. 
Lilith é conhecida como um demônio noturno de cabelos longos, uma força, um poder, uma renegada e um espírito. Tem aspecto humano, mas possui asas e “sobrevoa as mitologias suméria, babilônia, assíria, canoneia (ou cananeia ), persa, hebraica, árabe e teutônica”. É também popular por agarrar os homens e 
mulheres que dormem sozinhos e provocar-lhes orgasmos noturnos e sonhos eróticos.


Não é possível compreender o lugar social da mulher, sem considerar o contexto histórico que a vincula ao mal, ao pecado a traição e sob tudo a desobediência ao divino.

Pandora na mitologia Grega e Eva na Mitologia Hebraica estão subjugadas a figura demoníaca de Lilith. E todas nós somos herdeiras "do mal primordial". 

"Todas estão submetidas à perspectiva masculina, imposta pelo patriarcalismo, pois Pandora, criada com propósito de vingança de Zeus para com os homens, possui em si o mal que desencadeará a desgraça humana; e Eva, criada com propósito de fazer companhia a Adão, instigada pela serpente, peca quando ambiciona conhecer do bem e do mal, dando início à desgraça humana na terra. Constatam-se então atuações que geram consequências negativas e irreversíveis ao mundo, isto é, possíveis manifestações do espírito de Lilith.  Deste modo, o mito feminino está sempre permeado por essa carga de malefício que Lilith gera, sem serem levados em conta outros aspectos que não sejam tomados da perspectiva patriarcal, pressupondo subordinação e obediência. A figura feminina, de uma forma ou de outra, é ligada ao demoníaco, inferior e oprimido."

Enfim, faço aqui minha homenagem às mulheres que rasgaram mitos e lendas, sartaram das paginas obscuras onde eram personagens, tomando para si a pena o tinteiro e o  papiro para rescrever a história.

Fonte: Ester Zuzo de Jesus http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/anagrama/article/viewFile/6657/6114

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre Atribuição 2018: Mais um processo de tribulação

Professoras e Professores,

Não bastasse a carga de maldades despejadas sobre nossa categoria nos últimos anos, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, reafirma sua "Política Maquiavélica" de nos dividir por Categorias, para nos enfraquecer. A "reedição da provinha" é mais uma demostração da disposição desse governo em desvalorizar cada vez mais nossa profissão.
Importante estarmos atentas para o avanço do fechamento de salas de aulas (o período noturno em algumas regiões já esta quase instinto) com a diminuição de salas de aula Efetivos e Fs estão ameaçados de não conseguirem garantir suas jornadas e muito menos constituir carga suplementar sendo forçados ao acumulo como Categoria O,  o que vai possibilitar a extinção de milhares de contratos dos Categoria O de 2014 que entrarão na famigerada "duzentena". 
Para completar o desmonte da Educação Pública teremos a implementação no estado da absurda Reforma do Ensino Médio. O Caos anunciado para 2018 é …

A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho

LUTAR É PRECISO!!!
A APROFFIB apoia e convida a todos para GREVE GERAL no dia 30 de junho
"Morrer ou deixar morrer" Não é querer fazer alusão as ideologias nazistas ou a qualquer tipo de ideologias, nem é ser anarquista, mas pelo contrário, é suscitar uma atitude crítica na sociedade em que vivemos. Recordarmos Nietzsche quando diz que nos tornamos passíveis diante dos problemas sem questionar ou lutar, enfim quando fugimos dos nossos direitos, transferimos o nosso poder a outras pessoas. Assim nós o perguntamos “morrer, ou deixar morrer”? Morrer é lutar pelos seus direitos, é lutar pela vida é fazer algo de sua existência, e deixar morrer é simplesmente cruzar os braços para tudo, para sociedade e principalmente para esse governo que nos massacra e tira de nós trabalhadores o direito à vida digna, o direito ao trabalho digno e principalmente o direito de se aposentar. E hoje, o que estamos fazendo? Durante o nazismo, o povo alemão matou e deixou morrer “por não saber o que ac…

RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: Sobre a história do Brasil

Por Chico Gretter: Ontem recebi um relato de um tal jornalista Paulo Chagas que elogiava os generais do regime militar e atacava o Lula, comparando a abnegação dos militares com o oportunismo do petista e acusou os "brasileiros" de profunda ignorância sobre a nossa história... Não entrando em questões pessoais de quem é mais bonito, fiz a seguinte reflexão:                                                                                                                   RESPOSTA AO ARTIGO DO JORNALISTA PAULO CHAGAS: sobre a história do Brasil, como professor de História que sou, devo discordar de várias afirmações do jornalista Paulo Chagas sobre a época do regime militar. Os generais que governaram o país por 21 anos podem ter sido honestos, mas a política de alinhamento de nossa economia ao capitalismo internacional/$USA que ainda domina a América Latina sempre provocou uma dependência muito grande de nossos países aos EUA, sem falar nos milhares de presos, torturados, exil…